Covid-19 e a doença celíaca

Atendendo ao impacto do COVID-19 a nível mundial, e seguindo as recomendações da Direção de Geral de Saúde, a sede da APC em Lisboa e o gabinete do Porto encontram-se encerrados por tempo indeterminado.
No entanto, continuamos a dar resposta a todas as questões que surjam através do contacto telefónico, email ou facebook. Pode ainda fazer a marcação da sua consulta de nutrição online (Skype, Zoom, etc.) ou por telefone. Veja os nossos contactos aqui.

O novo coronavírus, designado SARS-CoV-2, é um vírus cuja transmissão ocorre pessoa a pessoa, através de contacto próximo com indivíduos infetados ou superfícies e objetos contaminados. A doença (covid-19) causada pelo vírus geralmente afeta o sistema respiratório, podendo resultar, em casos mais graves, em pneumonia com insuficiência respiratória aguda.

A Direção Geral de Saúde (DGS) afirma que os grupos de risco para a doença são indivíduos com idade avançada, doenças crónicas (cardiovasculares, respiratórias, oncológicas, diabetes, hipertensão, entre outras) e indivíduos com o sistema imunitário comprometido (em quimioterapia, em tratamento para doenças autoimunes como artrite reumatoide, lúpus, esclerose múltipla, entre outras).

 

Serão então os indivíduos com doença celíaca considerados um grupo de risco?

Por ser uma doença nova, não existe, até à data, investigação específica sobre o impacto da covid-19 na doença celíaca (DC). Não obstante, os dados atualmente existentes sobre a doença não demonstram aumento do risco de infeção pelo novo coronavírus em indivíduos com DC, desde que esteja assegurado o controlo da doença e que não apresentem outras condições de saúde.

Veja a mensagem do Dr. Alessio Fasano, membro da Celiac Disease Foundation, aqui.

Em todo o caso, é razoável considerar que especialmente os idosos com DC possam constituir um maior risco de desencadear infeções pelo novo vírus e, consequentemente, possam obter resultados menos favoráveis.

Deste modo, a APC aconselha a que seja realizado um reforço preventivo nos cuidados e que sejam respeitadas as recomendações divulgadas pelas autoridades de saúde e emitidas à população em geral, incluindo a higiene das mãos, o distanciamento social e os cuidados a ter na alimentação e hidratação.

Atualmente, não há vacinação disponível para o novo coronavírus. A melhor prevenção que um celíaco pode fazer é cumprir RIGOROSAMENTE a dieta isenta de glúten de forma a manter a doença controlada, sem complicações adicionais.

 

E o desinfetante para as mãos, é seguro para indivíduos com doença celíaca?

Sim, o desinfetante para as mãos é seguro para os celíacos, uma vez que estes não contêm glúten e, além disso, são utilizados apenas para uso externo.

 

Doença celíaca e coronavírus – em que devemos acreditar?

Face às circunstâncias que estamos a vivenciar, existe também desinformação a circular acerca da relação entre a doença celíaca e o coronavírus.

Posto isto, a delegada portuguesa do Coeliac Youth of Europe (CYE), Patrícia Lima, e a delegada espanhola, María Vdh, escreveram um artigo compilando toda a informação disponível proveniente das associações-membro que fazem parte da Association of European Coeliac Societies (AOECS).

Clique na imagem e aceda ao artigo.

 

PARCEIROS


FAZER DONATIVO / RENOVAR QUOTA